administração de pequenas empresas
Gestão de Negócios

Os principais erros na administração de pequenas empresas

Banner para a página de download do kit de planilhas de gestão da Daniel Atacado.

A palavra gestão pode causar certa confusão. Gerenciar um negócio não significa delegar ordens, contratar funcionários e, dia sim dia ou não, comparecer ao local. É muito mais do que isso, especialmente no caso da administração de pequenas empresas.

Um pequeno ou médio negócio exige cuidados que, em corporações maiores, não seriam tão necessários. A proximidade entre gestão e operação cumpre um papel fundamental para o sucesso.

Neste post, entenda os principais erros ao gerenciar pequenos negócios e saiba quais atitudes podem ser aplicadas para resolvê-los. Confira!

Misturar o caixa

É comum, em negócios de pequeno porte, os gestores misturarem as contas pessoais com aquelas referentes às atividades da empresa, como retirar dinheiro do caixa para pagar um corte de cabelo, por exemplo.

Esse tipo de ocorrência pode resultar em problemas, uma vez que as finanças de uma organização estão sujeitas ao sistema tributário, antes de poderem ser transferidas a uma pessoa.

Portanto, custos e despesas pessoais não devem envolver o caixa da empresa (pessoa física e jurídica). Esse comprometimento pode ser muito prejudicial para a saúde financeira do estabelecimento.

Documentos e calculadora.
Um bom gestor não deve tirar do seu próprio bolso para cobrir despesas corporativas, muito menos utilizar o capital financeiro empresarial para custear algo pessoal.

Solução: delimitar, se possível de forma contratual, os valores que serão recebidos pelos donos, ou seja, seu salário – chamado de pró-labore. Os excedentes podem ser destinados a investimentos internos, ou até retornar aos sócios, desde que tudo esteja previamente acordado e sem margem para desvios.

Outra atitude para diminuir esses riscos é criar uma conta bancária só para o negócio, desvinculada dos donos. Dessa forma, as entradas e saídas não vão se confundir com as despesas pessoais dos responsáveis.

Não entender o tamanho de seu negócio

Existem algumas práticas específicas para cada tipo de negócio, e isso envolve seu tamanho. Não adianta cobrar treinamentos, mudanças no atendimento, no gerenciamento de crise e na gestão financeira de acordo com um modelo não adequado ao seu segmento.

Como exemplo, podemos imaginar o cenário em que uma loja de calçados pequena esteja em busca de alcance de marca, por meio de anúncios pagos em redes sociais. Na procura por mais seguidores, a administração decide investir em impulsionamento das publicações no Facebook.

O investimento de mídia é alto e, com apenas alguns dias, a empresa consegue aumentar significativamente o número de pessoas que conhecem a marca. No entanto, houve um equívoco: a maioria dos usuários não mora na cidade em que a loja está localizada.

No caso, como a empresa é de pequeno porte, ela depende muito do fluxo de pessoas, que não está, necessariamente, representado no ambiente online. Portanto, o resultado real do investimento foi abaixo do esperado.

Uma empresa de pequeno porte precisa entender o contexto em que está inserida. Só assim ela será capaz de utilizar o máximo dos seus recursos disponíveis no momento e aspirar chegar mais longe.

Banner para a loja virtual da Daniel Atacado.

Veja o que está ao seu alcance no momento. Aderir às técnicas e modelos de administração baseados em realidades distintas poderá prejudicar o crescimento da empresa.

Solução: estudar modelos de negócio adequados para o tamanho do negócio. Com base nas informações sobre o mercado local, a concorrência e o perfil dos consumidores, a loja conseguirá se situar e planejar suas ações.

O planejamento estratégico é parte fundamental nesse processo. Alocação de recursos, número de funcionários e compras para abastecimento de estoque são alguns dos pontos a se considerar.

Pessoas planejando e escrevendo em um quadro branco.
Faz parte do planejamento analisar o negócio como um todo e entender seus pontos fortes e fracos.

Não qualificar a equipe de vendas

Mais um ponto fundamental para a qualidade de sua loja/estabelecimento: treinar e qualificar a sua equipe de vendas. Se você dispensa essa prática, trate de repensar. No segmento calçadista, o encantamento do cliente é um dos fatores mais importantes para a decisão de compra dos clientes.

Grandes empresas podem investir mais em melhores condições de pagamento, produtos com preços mais baixos e, até mesmo, uma decoração de vitrine mais chamativa.

Porém, quando se trata da melhor experiência de compra, bons vendedores de calçados cumprem um papel essencial. Oferecer um bom atendimento pode ser o grande diferencial de uma loja de pequeno porte, que tem um modelo de negócio que permite maior proximidade com os clientes.

Solução: manter uma equipe de vendas preparada, alinhada aos conceitos da empresa e ao atendimento ideal ao cliente e com feedbacks constantes, fortalecendo o negócio.

Lembre-se que o time precisa estar motivado e, para isso, você pode oferecer inúmeras ações de incentivo.

Banner para o e-book com 7 ideias de ações de venda em lojas de calçados.

A comissão é um grande atrativo para os vendedores. Um plano de metas com algum prêmio chamativo também é uma boa alternativa. O intuito é criar aproximação e um relacionamento saudável entre vocês.

Para além dos treinamentos e incentivos, é interessante integrar os vendedores a todos os outros aspectos da empresa. Saber como andam as finanças, qual o planejamento e os grandes objetivos ajuda a criar um senso de pertencimento.

Exigir práticas e metas impossíveis

Se há alguma cobrança, prática ou meta inadequada e inviável ao seu modelo de negócio, exigir o cumprimento disso é mais um dos erros de gestão. Procure manter o bom relacionamento com os funcionários.

Possuir um time de alto desempenho não significa que está permitido tratar as pessoas como máquinas da produtividade. O equilíbrio nas metas é importante para manter um bom nível de performance ao longo do tempo, além de evitar o esgotamento dos funcionários.

A definição das metas e indicadores do negócio é fundamental nesse momento, pois eles vão guiar, indiretamente, a postura de trabalho durante o ano, e devem refletir um cenário realista e possível de ser alcançado.

Solução: delimitar as metas de acordo com o planejamento, comunicar tudo para os colaboradores e criar um plano de ação que seja compatível com as capacidades de cada membro da equipe.

Não estar atento às mudanças do mercado

Não é porque sua loja é pequena que você não deve estar de acordo com as mudanças no seu nicho de atuação. Todo bom gestor sabe o momento de mudar e acompanhar o que o mercado está seguindo.

Pilha de revistas.
O mercado de calçados está sujeito a mudanças de tendência de moda. Manter-se atualizado é necessário para que o lojista entenda as preferências de seus clientes.

Lembre-se que o seu cliente sempre está em busca do produto mais qualificado. O entendimento do perfil do consumidor de calçados que é o alvo da sua loja vai te ajudar a programar ações mais assertivas para atrair clientes.

Solução: seja um exímio conhecedor do ramo que atua e nunca pare de estudar e sobre tudo que está acontecendo com seu setor. Uma boa pesquisa de campo pode ajudar. Conhecer e manter contato com seus concorrentes poderá ser um facilitador para não ficar para trás.

Relatórios setoriais, como os do Sebrae ou da Abicalçados, também são ótimas fontes de informação para entender o mercado em escala macroscópica, com dados de faturamento e produção de calçados.

Banner para o kit de planejamento anual para lojistas.

Não admitir falhas

Quando há maior proximidade entre os gestores e a equipe, existe uma maior exposição, naturalmente, sobre os erros cometidos na administração. No entanto, não há necessidade de esconder para a equipe que houve falha em alguma tentativa ou processo.

Pelo contrário, o diálogo próximo é uma fonte de ideias para resolver problemas e encontrar alternativas em momentos de crise. Esconder informações negativas, em pequenos negócios, pode significar o aumento da distância entre os gestores e seus funcionários.

Solução: reúna todos e deixe-os inteirados do que e como aquilo falhou. Aproveite para destacar como vocês farão para solucionar esse erro. Abra para sugestões e permita que a equipe esteja engajada a respeito da adversidade.

A gestão de pequenas empresas exige adaptação e entendimento profundo dos processos por parte dos gestores. Com um tamanho menor, a equipe precisa estar integrada e ciente de tudo o que está acontecendo.

Dessa forma, a loja conseguirá superar desafios e caminhar em direção ao seus objetivos estratégicos, sempre com base em um planejamento consistente com a realidade do negócio.

Se quiser receber mais conteúdos como este, sobre como melhorar a gestão de uma empresa do segmento calçadista, preencha o formulário e assine a newsletter do blog!


9 Comentário

  1. Rapaz, fiquei impressionada, conhecimento é a base de tudo mesmo, ótima matéria, vou tentar me esforçar ao maximo pra seguir estas dicas, e nada de pegar dinheiro do caixa pra fazer as unhas, kkkkkkk

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *