Dicas ao Lojista Gestão de Negócios Vendendo online

7 tendências do marketing digital para varejo calçadista em 2022

Nos últimos anos, a importância do Marketing Digital para uma empresa ficou ainda mais evidente, independentemente do segmento dela. Ainda mais se considerarmos o contexto da pandemia que se estendeu até 2021 e fez com que muitos empreendedores buscassem formas de manter o próprio negócio em evidência — como é o caso dos lojistas de calçados.

Com isso, algumas tendências do Marketing Digital ganharam mais notoriedade e prometem continuar em evidência durante o ano de 2022. 

Se você tem interesse em manter a sua loja de calçados atualizada, abaixo você confere sete dessas estratégias e as premissas de cada uma delas. Continue a leitura e saiba mais!

1. Gestão de marca (Branding)

Já imaginou o que passa pela cabeça das pessoas quando elas escutam falar do seu negócio? A função de gerir uma marca, ou seja, realizar o branding dela, a princípio, é fazer com que exista uma conexão que faça a sua loja se tornar referência por algum motivo, seja pela qualidade ou pelos valores que ela oferece.

Isso porque muitos são os elementos que constroem uma marca para além do nome ou do visual dela. No branding, a diferença é como todo esse conjunto de coisas chegará até o público que você pretende conquistar.

Pode-se imaginar o caso de uma marca que trabalha apenas com sapatos sustentáveis, um dos valores dessa empresa, sem dúvidas, é a preocupação ambiental. Esse fator deve atrair consumidores que se identificam com a causa, tornando-se uma das premissas do branding do negócio.

Para isso, é necessário consistência, ou seja, fazer com que o posicionamento e a personalidade da sua marca sejam claros e possam ser transmitidos facilmente. Isso não deve acontecer apenas no ambiente físico, mas também no virtual, ainda mais se você deseja vender mais pela internet.

Prova disso é que entre 2020 e 2021, especialmente nos primeiros meses de pandemia, foi comum um boom de materiais sobre o assunto que tem conquistado tanto os pequenos quanto os grandes lojistas.

Sendo assim, começar 2022 planejando ou já estabelecendo pontos como visão, valores, essência, tom de voz, personalidade, público-alvo, entre outros detalhes, é o primeiro passo para facilitar também todas as outras estratégias que poderão ser aplicadas no decorrer do ano.

2. Business Intelligence

Nenhuma estratégia é válida se ela não for analisada considerando os objetivos propostos. Nesses casos, formas de analisar os dados (utilizar banco de dados, estatísticas, etc) são essenciais Uma maneira de fazer isso é por meio do Business Intelligence (BI).

Imagem de uma mulher sentada em frente ao notebook. Ela está utilizando o celular e analisando dados da loja de calçados dela.
Na hora de analisar os dados da sua loja de calçados, o BI pode ser um facilitador.

De forma geral, o BI abrange processos e métodos de coleta, armazenamento e análise de dados das operações, com o objetivo de otimizar o desempenho de um negócio. Utilizando os métodos desse processo é possível visualizar o que está funcionando, realizar aprimoramentos e eliminar aquilo que está demonstrando ser ineficiente.

Em um mundo cada vez mais conectado e competitivo, cada ação deve ser sempre bem planejada e o BI vai te ajudar a tomar as melhores decisões para a sua loja de calçados, seja na hora de buscar formas de aumentar os lucros, acompanhar o desempenho das suas vendas, descobrir possíveis erros ou até mesmo planejar o futuro.

3. Chatbots

Entre as tantas possibilidades de ferramentas advindas da inteligência artificial, uma das tendências do marketing digital para 2022 são os chamados chatbots — uma forma de automatizar o processo de atendimento.

Todo mundo, em algum momento, já passou pela experiência de precisar resolver um problema via telefone, por exemplo, mas para isso teve que esperar alguns minutos ou mesmo horas até que fosse atendido e, por fim, a situação fosse solucionada.

No caso dos chatbots, esse software vai conversar com a pessoa e, de forma rápida e assertiva, sanar as necessidades dela. Tudo isso por meio de uma conversa em linguagem natural, como se fosse realmente uma pessoa por trás dele.

Os chatbots são uma maneira de reduzir custos operacionais, já que deixam para trás a necessidade de uma grande equipe para esse atendimento, assim os seus colaboradores podem se concentrar em outras tarefas. Ele também pode ampliar a capacidade de resposta do seu negócio, sendo ideal para automatizar ações repetitivas.

Plataformas como WhatsApp, Facebook Messenger, Telegram, sistemas de call center e e-commerces já possibilitam a criação de chatbots.

Como funciona o chatbot?

O programa automatizado vai interagir com clientes e contatos do seu negócio, sendo formado pelos seguintes elementos principais: o canal, que é o local onde a conversa vai se desenvolver (o WhatsApp, por exemplo); conteúdo, que são os recursos utilizados na conversa, como emojis, texto, fotografias, etc; e o software, o programa que dita as regras do bate-papo.

Assim, deve-se anteceder todos os passos e respostas da interação desde um simples “oi” até as possíveis necessidades que o usuário pode solicitar. Além disso, o chatbot pode ainda funcionar de três formas distintas: 

  • Baseado em regras: só aceita as respostas pré-determinadas;
  • Com NLP (Natural Language Processing): usa Inteligência Artificial para aprender com as respostas dos usuários;
  • Híbrido: mistura de regras com NLP.

 4. Estratégias omnichannel

Aqui no blog da Daniel Atacado já falamos sobre essa estratégia que promete continuar firme em 2022 e busca atingir os consumidores por vias diversas e promover on-line e off-line uma experiência completa e humanizada que gere conexão entre ele o seu negócio.

Então, se você está se perguntando o que é omnichannel, saiba que é uma forma de usar e interligar os mais diversos canais de comunicação e venda, sejam eles físicos ou virtuais, desde que faça sentido.

Imagem de uma mão segurando um celular. Ao fundo, está um notebook.
As estratégias omnichannel incentivam uma integração entre on-line e off-line.

Quando o cliente pode fazer um pedido pelo seu site ou até mesmo por alguma rede social, como o Instagram, e retirar o produto escolhido na loja física, saiba que essa é uma estratégia omnichannel.

Toda essa integração visa proporcionar mais satisfação ao usuário, especialmente àqueles que desejam mais praticidade no dia a dia e fazem uso de diferentes canais de comunicação. A estratégia pode ser uma ótima oportunidade para você conhecê-los melhor e segmentar cada vez mais os seus próximos passos.

5. Marketing de conteúdo

Um dos grandes interesses das pessoas é por informação e, dentre as muitas ações de marketing digital possíveis, o marketing de conteúdo continua sendo uma possibilidade interessantíssima na hora de satisfazer esse desejo. 

Muito mais do que apenas ter um blog, por exemplo, esse é o tipo de estratégia que acaba por não só impulsionar o negócio, mas também colabora com a geração de novas oportunidades, os chamados leads.

Em uma empresa, a produção de conteúdo permite que um laço advindo do conhecimento, da educação, seja estabelecido entre a marca e o público-alvo. Isso sem a necessidade de trabalhar uma publicidade agressiva, pautada em verbos imperativos que incitam a compra imediata e que, muitas vezes, podem ter efeito contrário: assustar o consumidor, ao invés de atraí-lo.

A busca por informações é diária, acontece a cada segundo no ambiente virtual, e se a sua empresa estiver lá com as respostas corretas, com certeza a notoriedade dela será elevada.

Clique para ler nosso conteúdo sobre como vender online.

6. Marketing de influência

Você já ouviu falar dos famosos “influencers”? Eles nada mais são que pessoas com relevância em ambientes virtuais, como as redes sociais, e que influenciam grande parte das pessoas que os acompanham.

Não demorou muito para que os negócios começassem a perceber a força do estilo de vida deles e buscassem uma maneira de integrar isso com o mundo dos empreendimentos. Foi então que surgiu o Marketing de Influência.

Também conhecido por Influencer Marketing, essa é uma ação que tem sido aprovada ao redor do mundo e tem como objetivo trabalhar com produtores de conteúdos divulgando determinadas ações ou produtos — desde que ambos, inclusive o divulgador, estejam alinhados com o branding do negócio.

Imagem de uma mulher gravando um vídeo de um sapato em frente ao celular.
No marketing de influência, os chamados influenciadores podem divulgar os produtos da sua loja para os seguidores que possuem.

Na prática, imagine que a sua loja de calçados acabou de receber uma coleção nova da Zaxy voltada para o público feminino na faixa etária dos 20-25. Existem diversas formas de divulgá-la, não é mesmo?

No Marketing de Influência, o caminho seria buscar uma produtora de conteúdo que esteja presente no Instagram, tenha a mesma faixa de idade das clientes que você procura e conte com bons números de alcance.

Depois de fechado o contrato, ela apresentará os calçados nos stories — espaço onde muitas pessoas vão poder conhecer os produtos, reagir, comentar, chegando até a sua marca pela primeira vez, o que potencializa as chances de conversão.

7. Social Selling

Por fim, uma das tendências do marketing em 2022 é o Social Selling. Em português, venda social.

Nesse processo, o foco é a criação e o fortalecimento de relacionamentos e vendas por meio de redes sociais, como Instagram, Facebook, Twitter, TikTok, entre outras.

Muito mais do que um espaço para interagir com os amigos e familiares, as redes sociais também se tornaram uma forma do usuário acompanhar de perto as marcas que lhe são interessantes.

Observando isso, as plataformas têm realizado atualizações constantemente, visando facilitar essa interação. Hoje em dia, por exemplo, o Instagram e o Facebook contam com ferramentas apropriadas para a comercialização de produtos.

Contudo, esse contato não deve acontecer de qualquer maneira. É preciso prospectar potenciais clientes e nutrir um relacionamento com eles, o que pode ocorrer, por exemplo, por meio do marketing de conteúdo, outra estratégia citada neste texto.

Imagem de uma mulher. Ela está pensando se vai finalizar uma compra pelo celular ou não.
As redes sociais se tornaram um dos ambientes on-line propícios para comprar e vender produtos.

Uma das premissas de trabalhar com vendas on-line é entender que o cenário é volátil e que depende de inúmeros fatores, inclusive externos, como os acontecimentos sociais e econômicos, que podem impulsionar ou não os consumidores a optarem por comprar mais pela internet. 

Nessas horas, as diversas segmentações do marketing digital podem ser uma verdadeira mão na roda! Por isso, o segredo é não ter pressa, realizar um bom planejamento, não ter medo de testar e nunca deixar de monitorar e avaliar os resultados apresentados pelas estratégias que aplicou.

E se você ainda está começando a mergulhar nesse universo, assine a newsletter da Daniel Atacado e comece 2022 informado. É só preencher o formulário abaixo para não perder nenhum conteúdo! Lembre-se daquele velho ditado popular: “quem não é visto, não é lembrado”.